News

O vocalista da Bidê ou Balde, Carlinhos Carneiro, 35 anos, continua com o mesmo bom-humor, criatividade e irreverência que fizeram história ao longo destes anos e conquistaram o carinho e admiração dos fãs, críticos e imprensa. Não é a toa que ele comemora com a banda, 15 anos de sucesso no cenário do Rock/pop brasileiro. O músico que também é compositor, está antenado com o atual contexto musical, com a importância das redes sociais e sabe bem o que seu público quer.

Carlinhos, em 2013 a banda Bidê ou Balde comemorou 15 anos de carreira. Qual a sensação de estar a tanto tempo fazendo sucesso? Carlinhos: Ainda sou um jovem no cenário musical. Sou uma pessoa que vivi num cenário musical de um jeito. Conheci gravadoras e tudo mais. Agora existe um novo jeito de se fazer música e temos que ser jovens para fazer música. Temos que descobrir esse novo jeito. Mas, acho que sou uma pessoa que está conseguindo e tentando achar um jeito jovem pra fazer música atualmente.

Esse novo jeito de fazer música hoje está atrelado a quê? Carlinhos: A espontaneidade, as redes sociais, a forma de conquistar as pessoas, ao carisma; muito da música hoje em dia é feita disso. Está atrelado a isso. Eu sendo um cara despachado me faz adequado a esse novo momento.

Espontaneidade você tem de sobra. Recentemente você preparou uma surpresa para seus colegas e fez um clipe da música “Madonna” sem avisá-los. No vídeo, você se vestiu de mulher e teve “um dia de princesa”, passeando em Porto alegre. De onde veio a idéia? Carlinhos: Risos. Esta idéia veio do fato de que há muito tempo a gente vem brincando com o negócio de curtir o lado trans. Essa coisa de não respeitar a hetero norma. Não respeitar a idéia do temos que ser homem ou mulher. Temos simplesmente que ser humanos. E essa é uma brincadeira que já fazemos há muito tempo. Quando gravamos a música “Madonna” há um tempão eu queria ter feito um clipe assim com um amigo meu, e não consegui. Depois queria ter feito um clipe com toda a banda vestida de mulher e também não consegui. Então eu peguei e fiz o clipe. Só eu vestido de mulher. Porque alguém tinha que fazer. E eu fiz.

Você acha que a música imita a vida? Carlinhos: Não. Eu acho que a música anima a vida.

O seu dia a dia é muito corrido? Quando você se diverte, ou se diverte fazendo música? Carlinhos: Eu não sei se me divirto fazendo música. Hoje em dia eu ando arranjando jeitos de me divertir fazendo música. E um destes jeitos que arranjei foi fazendo um clipe. Não é só fazendo shows que vou me divertir fazendo música. Às vezes eu acho que tenho que me divertir fazendo música simplesmente fazendo novos amigos e pensando em novas temáticas para fazer novas musicas. Isso vai renovar meu espírito, da minha banda e de tudo que eu faço.

Deixa um recado aos fãs que acompanham a banda há 15 anos. O que podem esperar para os próximos 15 anos? Carlinhos: Pretendo parar de tocar com essa forma normal de fazer música, aos 40 ou 40 e poucos anos. Não sei se quero continuar, mas muitos já falaram isso e talvez eu seja só mais um. Eu não quero continuar fazendo música - não do mesmo jeito que estou fazendo agora, depois dos 40 anos. Tenho mais uns 5 ou 6 anos para fazer desse jeito, com a música pop. Depois eu vou brincar com outros estilos de músicas e outras coisas.

“ Se tu quiser que eu te leve eu aprendo a dirigir” assim diz o refrão da música “Melissa”. E você, sabe dirigir? Não, ainda não aprendi. É sério. Esse é o motivo de ainda não ter conquistado a Melissa.

No decorrer da entrevista, o vocalista revelou para tristeza dos fãs que não pretende continuar fazendo música do jeito que faz agora, depois dos 40 anos. Ou seja, mais 5 ou 6 anos de Bidê ou Balde. Será? Vamos esperar e conferir A música “Melissa” faz parte do primeiro álbum da banda em 2000 “Se sexo é o que importa,só o rock é sobre amor”. Comemorando os 15 anos de carreira, a Bidê ou Balde lançou em 2013 mais um disco com músicas inéditas que tem como título, “Eles são assim. E assim por diante”. Já está a venda no site da banda.